Posts Tagged ‘Partido de Representação Popular’

Os Doze Princípios da Doutrina Integralista.*

junho 17, 2012

Existem muitos brasileiros que combatem o Integralismo sem conhecê-lo. Alguns de má-fé, outros por ignorância. Para estes, aqui vão algumas teses defendidas pelo Integralismo. Estamos certos de que a leitura do que abaixo vai escrito levará muitos patrícios bem intencionados aos documentos fundamentais da doutrina criada por Plínio Salgado, transformando-os, dentro em pouco, em novos defensores da trilogia Deus, Pátria e Família. Ei-los, portanto:

1. O Integralismo exige que a mocidade não se entregue aos prazeres materiais, mas dignifique a sua Pátria no trabalho, no estudo, no aperfeiçoamento moral, intelectual e físico.

2. O Integralismo não concede o direito de se denominarem “revolucionários” aqueles que revelarem incultura e simples temperamento de aventureiros ou de insubordinados.

3. O Integralismo declara verdadeiros heróis da Pátria: os chefes de família, zelosos e honestos; os mestres; os humildes de todos os labores, das fábricas e dos campos, que realizam pelo espírito, pelo cérebro, pelo coração e pelos braços a prosperidade e grandeza do Brasil.

4. O Integralismo considera inimigos da Pátria todos os que amarem mais os sofismas, as sutilezas filosóficas e jurídicas do que o Brasil, à ponto de sobrepô-los aos interesses nacionais; os que forem comodistas; preguiçosos mentais; vaidosos; alardeadores de luxo e de opulência; opressores de humildes, indiferentes para com os cidadãos de valor moral ou mental; os que não amarem as suas famílias; os que pregarem doutrinas enfraquecedoras da vitalidade nacional; os “blasés”; os céticos; os irônicos, míseros palhaços desfibrados.

5. O Integralismo quer a Nação unida, forte, próspera, feliz, exprimindo-se no lineamento do Estado, com superior finalidade humana.

6. O Integralismo não pretende erigir o Estado em fetiche, como o socialismo; nem tampouco reduzi-lo a um fantoche, como o liberalismo. Ao contrário de um e de outro, quer o Estado vivo, identificado com os interesses da Nação que ele representa.

7. O Integralismo não admite que nenhum Estado se superponha à Nação ou pretenda dominar politicamente os outros. Não admite que o regionalismo exagerado e dissociativo se desenvolva em qualquer ponto do território da Pátria.

8. O Integralismo, pela constante ação doutrinária e apostolar, não permite que os demagogos incultos ou de má-fé explorem a ingenuidade das turbas, muito menos que a imprensa subordine a sua diretriz a interesses de argentários ou poderosos em detrimento da Nação.

9. O Integralismo dará um altíssimo relevo aos pensadores, filósofos, cientistas, artistas, técnicos, proclamando-os supremos guias da Nação.

10. O Integralismo quer a valorização das corporações de classe, como se fazia na Idade Média, onde os grupos de indivíduos eram valorizados.

11. O Integralismo quer acabar, de uma vez para sempre, com as guerras civis, as masorcas, as conspirações, os ódios, os despeitos, unindo todos os brasileiros no alto propósito de realizarem uma Nação capaz de impor-se ao respeito no Exterior.

12. O Integralismo não é um partido; é um Movimento. É uma atitude nacional. É um despertar de consciências.

É a marcha gloriosa de um Povo!

* Publicado originalmente no “A Marcha”, em 12 de Junho de 1959.

Anúncios

Democracia Orgânica

junho 10, 2012

DEMOCRACIA ORGÂNICA*

Regimes – Formas de governo

Modalidades de votos

– O que é democracia?

– Democracia é o regime da representação do povo no governo através do voto.

Para que um regime seja democrático precisa conter os seguintes elementos:

a) representação;

b) voto;

c) igualdade de direitos.

A democracia pode assumir várias formas: democracia social; democracia liberal; democracia orgânica.

Democracia, que é regime, não se confunde com forma de governo. A forma de governo pode ser monárquica ou republicana.

No Brasil, temos um regime democrático e uma forma republicana.

Entre nós, confunde-se democracia como modo de votar.

Há diversos tipos de voto: o direto e o indireto, o universal e o profissional. No Brasil, temos usado o sufrágio universal, isto é, o voto direto e geral.

Nós, Integralistas, pregamos outro tipo de voto, porque achamos que o voto universal favorece a vitória dos que dispõem de mais dinheiro, deturpando assim a verdadeira expressão da vontade popular. Pregamos o voto indireto: os eleitos vão constituir câmaras, que escolhem os administradores, ao invés de serem estes escolhidos diretamente pelo eleitor. Pregamos o voto profissional, porque melhor e mais fielmente traduz a defesa dos interesses do povo. Isto quer dizer que a forma de Estado que desejamos é constituída dos organismos profissionais, culturais, familiares e religiosos, cada qual elegendo representantes, pelos votos de classe e qualidade.

* Excerto – págs. 8 e 9 – do opúsculo “Democracia Orgânica – Solução para os Problemas Nacionais” – Rio de Janeiro – Diretório Nacional do PRP – s/data – 28 págs.